Início Biografia Baby & Pepeu Novos Baianos
 
Discografia Solo


O que vier eu traço [1978]


Pra Enlouquecer! [1979]


Ao Vivo em Mountreux [1980]


Juntos de Novos [1981]


Canceriana Telúrica [1981]


Cósmica [1982]


Esperando Você [1983]


Kryshna Baby [1984]


Sem Pecado e Sem Juízo [1985]


Ora Pro Nobis [1991]


Um [1997]


Acústico [1998]


Ano 2000 [2000]


Exclusivo para Deus [2000]


Geração Guerreiros do Apocalypse [2012]


Baby Sucessos [2015]


Discografia Paralela [...]










 


Clique na imagem para download do disco



- CD Acústico (1998)

1. O que vier eu traço
(Alvaiade/ Zé Maria)
Apanhei-te cavaquinho
(Ernesto Nazaré/ Ubaldo)
Baião
(Luiz Gonzaga/ Humberto Teixeira)
Samba do Ziriguidum
(Luiz Bitencourt/ Jadir de Castro)
2. Farol da barra
(Galvão/ Caetano Veloso)
3. Sampa
(Caetano Veloso)
4. Menino do rio
(Caetano Veloso)
5. O samba da minha terra
(Dorival Caymmi)
Aquarela do Brasil
(Ary Barroso)
6. Mania de você
(Rita Lee/ Roberto de Carvalho)
Is this love
(Bob Marley)
7. Um auê com você
(Baby Consuelo)
8. Esotérico
(Gilberto Gil)
9. Super Homem
(Gilberto Gil)
10. Mal de mim
(Djavan)
11. Estação derradeira
(Chico Buarque)
12. É
(Gonzaguinha)
13. Brasileirinho
(Waldir Azevedo/ Pereira Costa)
14. Brasil Pandeiro
(Assis Valente)



1. O que vier eu traço
(Alvaiade/ Zé Maria)
Apanhei-te cavaquinho
(Ernesto Nazaré/ Ubaldo)
Baião
(Luiz Gonzaga/ Humberto Teixeira)
Samba do Ziriguidum
(Luiz Bitencourt/ Jadir de Castro)

Quando eu canto meu sambinha
Batucada
A turma fica abismada
Com a bossa que eu faço
Faço, não me embaraço
Porque não há tempo
Marco o meu contra-tempo
Dentro do compasso
Quem não tiver o ritmo na alma
E nem cantando com mais calma
Faz o que eu faço
Samba-canção, samba de breque,
Batucada
Para mim não é nada
O que vier eu traço

Não tenho veia poética
Mas canto com muita tática
Não faço questão de métrica
Mas não dispenso a gramática
Não me atrapalho na música
Nem mesmo sendo sinfônica
Procuro tornar simpática
A minha voz microfônica


Ainda me lembro
Do meu tempo de criança
Quando entrava numa dança
Toda cheia de esperança
De chinelinho e de trança
Com Mané e o Zé da França
Nunca tive na lembrança
De rever esse chorinho

E hoje ouvindo nesse choro
A voz do Pinho
Relembrando o bom tempinho
Da mamãe e do maninho
Hoje sou ave sem ninho
Sem família e sem carinho
Mas sou bem feliz ouvindo
O apanhei-te cavaquinho

Hoje cantando o apanhei-te cavaquinho
Fico louca, fico quente
Fico como um passarinho
Sinto vontade de cantar a vida inteira
Ai, essa vida eu levo de qualquer maneira
Ouvindo a flauta, o cavaquinho e o violão
Sinto que meu coração
Tem a cadência de um pandeiro
Esqueço tudo e vou cantando o ano inteiro
Esse chorinho que é muito brasileiro


Eu vou mostrar pra você
Como se dança o baião
E quem quiser aprender
É favor de prestar atenção


Ziriguidum,
Ziriguidum
Meu coração bate num teleco-teco
Teleco-teco, teleco-teco, teleco-teco



2. Farol da barra
(Galvão/ Caetano Veloso)

Quando o sol se põe
Vem o farol
Iluminar as águas da Bahia
No farol da barra
O encontro é pouco
A conversa é curto
Tudo é tão rápido
Como se furta
Como a luz bate nas águas
Como tudo que se passa

Com tanto cabeludo
Com tanto por-de-sol
Bem cabia uma profecia
Até o ano 2000
O farol além
De por-do-sol será
O por-do-som
Onde verás um realejo
Onde verás um violão



3. Sampa
(Caetano Veloso)

Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas

Ainda não havia para mim Rita Lee,
A tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
que só quando cruzo a Ipiranga e a Avenida São João

Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi
De mau gosto, mau gosto
É que Narciso acha feio o que não é espelho
E a mente apavora o que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes quando não somos Mutantes

E foste um difícil começo
Afasto o que não conheço
E quem vende outro sonho feliz de cidade
Aprende de pressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso

Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas de campos e espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva

Paraméricas de Áfricas utópicas, túmulo do samba
Mais possível novo quilombo de Zumbi
E os Novos Baianos passeiam na tua garoa
E Novos Baianos te podem curtir numa boa



4. Menino do rio
(Caetano Veloso)

Menino do rio
Calor que provoca arrepio
Dragão tatuado no braço
Calção, corpo aberto no espaço
Coração de eterno flerte
Adoro ver-te
Menino vadio Tensão flutuante do rio
Eu canto pra Deus proteger-te

O Hawaí
Seja aqui
Tudo o que sonhares
Todos os lugares
As ondas dos mares
Pois quando eu te vejo
Eu desejo o teu desejo



5. O samba da minha terra
(Dorival Caymmi)
Aquarela do Brasil
(Ary Barroso)

Samba da minha terra deixa a gente mole
Quando se canta todo mundo bole
O samba da minha terra deixa a gente mole
Quando se canta todo mundo bole

Quem não gosta de samba
Bom sujeito não é
É ruim da cabeça ou é doente do pé
Eu nasci com o samba
E no samba me criei
E do danado do samba
Nunca mais me separei


Brasil! Brasil!

Ô, abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei congo no congado

Brasil! Brasil! ...

Ô, esse coqueiro que dá côco
Oi onde amarro a minha rede
Nas noites claras de luar

Brasil! Brasil! ...

Ô, oi essas fontes murmurantes
Oi onde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar
Esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro

Brasil! Brasil! ...



6. Mania de você
(Rita Lee/ Roberto de Carvalho)
Is this love
(Bob Marley)

Meu bem você me dá
Água na boca
Vestindo fantasias,
Tirando a roupa
Molhada de suor
De tanto a gente se beijar
De tanto imaginar loucuras

A gente faz amor por telepatia
No chão, no mar, na lua, na melodia
Mania de você
De tanto a gente se beijar
De tanto imaginar loucuras

Nada melhor do que não fazer nada
Só pra deitar e rolar com você


I wanna love you and treat you right
I wanna love you every day and every night
We'll be together with a roof right over our heads
We'll share the shelter of my single bed
We'll share the same room, yeah, but ya provide the bread

Is this love, is this love, is this love
Is this love that I'm feelin'?
Is this love, is this love, is this love
Is this love that I'm feelin'?



7. Um auê com você
(Baby Consuelo)

Eu queria tanto
Voar com você
Eu queria tanto, tanto, tanto
Encontrar você pra fazer um auê com você

Cai, cai aqui na minha mão
Eu não vou deixar cair não
Homem-Asa, meu balão
Você voa no céu feito gaivota
Você é um passarinho
Cê mergulha no céu pra terra, o seu ninho
E realizou o antigo desejo do homem voar
Com a sabedoria dos passarinhos
Você é o dono do mundo
Eu bem queria estar aí com você
Mas me contento em vibrar
E te espero rezando ansiosa
Por uma descida tranquila e vitoriosa
E depois me encontrar com você e fazer um auê



8. Esotérico
(Gilberto Gil)

Até que nem tanto esotérico assim
Se eu sou algo incompreensível
Nosso Deus é mais
Mistério sempre há de pintar por aí
Não adianta nem me abandonar
Porque mistério sempre há de pintar por aí
Pessoas até muito mais vão lhe amar
Até muito mais difíceis que eu pra você
Que eu, que dois, que dez, que dez milhões,
Todos iguais

Não adianta nem me abandonar (não adianta não)
Nem ficar tão apaixonado, que nada
Que não sabe nadar
Que morre afogado por mim



9. Super Homem
(Gilberto Gil)

Um dia,
Vivi a ilusão de que ser homem bastaria
Que o mundo masculino tudo me daria
Do que eu quisesse ter

Que nada, minha porção mulher que até então se resguardara
É a porção melhor que trago em mim agora
É o que me faz viver

Quem dera
Pudesse todo homem compreender
Oh, mãe quem dera
Ser o verão no apogeu da primavera
E só por ela ser

Quem sabe
O Super Homem venha nos restituir a glória
Mudando como um Deus o curso da história
Por causa da mulher

Quem sabe
O Super Homem venha nos restituir a glória
Mudando como um Deus o curso da história
Por causa da mulher



10. Mal de mim
(Djavan)

Eu pensei
Que fosse coisa para um dia só
Ficar de mal de mim
Reagi
Sou seu amiga e digo: "Como vai?"
Você fica sério
E nem sinal
Brigou comigo e a solidão servirá
De lugar pra nós dois
Se é amor
Que tal agir e não radicalizar?
Sejamos mais lisos

Pega esse meu ombro
Rega
Se adormecer eu sei que o sono passou
A perna nessa distância férrea
Que marcou...

Meu amor
Dormir contigo é escutar Gal e Tom
O que rolar é bom
Passear rever amigos
Conduzir boas novas
Visitar a Grécia
No futuro



11. Estação derradeira
(Chico Buarque)

Rio de ladeiras
Civilização encruzilhada
Cada ribanceira é uma nação
À sua maneira com ladrão
Lavadeiras, honra, tradição
Fronteiras, munição pesada
São Sebastião crivado
Nublai minha visão
Na noite da grande fogueira desvairada

Quero ver a Mangueira
Derradeira estação
Quero ouvir sua batucada, ai, ai

Rio do lado sem beira
Cidadãos inteiramente loucos
Com carradas de razão
À sua maneira de calção
Com bandeiras sem explicação
Carreiras de paixão danada



12. É
(Gonzaguinha)

É, a gente quer viver o nosso amor
A gente quer viver nosso suor
A gente quer valer o nosso humor
A gente quer do bom e do melhor
A gente quer carinho e atenção
A gente quer calor no coração
A gente quer suar mas de prazer
A gente quer é ter muita saúde
A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade

É, é, é, é, é...

a gente não tem cara de panaca
a gente não tem jeito de babaca
a gente não está com a bunda exposta na janela
Pra passar a mão nela

A gente quer viver pleno direito
A gente quer viver todo respeito
A gente quer viver uma nação
A gente quer é ser um cidadão

É, é, é, é, é...



13. Brasileirinho
(Waldir Azevedo/ Pereira Costa)

O brasileiro quando é do choro
É entusiasmado
Quando cai no samba
Não fica abafado
E é um desacato
Quando chega no salão

Não há quem possa resistir
Quando o chorinho
Brasileiro faz sentir
Ainda mais de cavaquinho
Com um pandeiro
E o violão na marcação

Brasileirinho chegou
À todos encantou
Fez todo mundo dançar
A noite inteira no terreiro
Até o sol raiar
E quando o baile terminou
A turma não se conformou
Brasileirinho abafou
Até um velho que já estava
Encostado nesse dia se acabou

Para falar a verdade
Tava conversando
Com alguém de respeito
E ao ouvir o grande
Eu meti os peitos
Deixei o camarada falando sozinho

Gostei, dancei, pulei, pisei
Até me acabei
E nunca mais esquecerei
O tal chorinho brasileirinho



14. Brasil Pandeiro
(Assis Valente)

Chegou a hora
Dessa gente bronzeada
Mostrar seu valor
Eu fui à Penha
Pedir à Padroeira
Pra ela me ajudar
Salve o morro do vintém,
Pendura a saia
Eu quero ver, eu quero ver
O Tio Sam tocar pandeiro
Para o mundo sambar
O Tio Sam está querendo
Conhecer a nossa batucada
Anda dizendo que o molho da baiana
Melhorou seu prato
Vai entrar no cuscuz, acarajé e abará
Na Casa Branca já dançou
A batucada de Iôiô e Iaiá
Há quem sambe diferente
Noutras terras, outra gente
Num batuque de matar
Batucada reuni seus valores,
Pastorinhas e cantores
Expressão que não tem par

Brasil esquentai vossos pandeiros
Iluminai os terreiros
Que nós queremos sambar

Ô, ô, ô, sambar
Ô, ô, ô, sambar








 

 

Discografia com
Novos Baianos


É Ferro na Boneca [1970]


Compacto Duplo [1971]


Novos Baianos + Baby Consuelo no
Final do Juízo [1971]


Acabou Chorare [1972]


Novos Baianos FC [1973]


Novos Baianos [1974]


Vamos pro Mundo [1974]


Caia na estrada e perigas ver [1976]


Praga de Baiano [1977]


Farol da Barra [1978]


Trio Elétrico Novos Baianos [1979]


Infinito Circular [1997]






Páginas


Site Oficial Baby do Brasil

Site Fã Portal SNZ

Site Oficial Sarah Sheeva

Site Fã Sarah Sheeva

Site Oficial Nãna Shara

Site Fã Nãna Shara

Site Oficial Zabelê

Site Fã Zabelê






Acessos




 


Essa página é uma homenagem a cantora Baby do Brasil | Criação e atualização da página pelo fã João Rossi © 2005 ℗ 2015